Trilha Inca – Cordilheira dos Andes – Cuzco – Peru

Latitude / Longitude
-13.243001, -72.484179
Phuyupatamarca

Phuyupatamarca

A Trilha Inca é, com certeza, o mais famoso trekking na América do Sul e uma das caminhadas longas mais conhecidas em todo o mundo.

A rota é parcialmente pavimentada com pedras colocadas pelos Incas, uma cultura antiga que dominava Peru e que espalhou o seu império até os atuais Argentina, Chile e Bolívia.

Esta trilha conectava a parte administrativa do império, cuja capital estava em Cusco, com a parte religiosa, localizada em Machu Picchu.

A trilha clássica nos dias de hoje pode ser feito em 4 dias e tem 42 km com a ajuda obrigatória de guias e carregadores.

No último dia, você pode ver o nascer do sol em Machu Picchu na “Inti Punku” (Porta do Sol) e entrar na famosa cidade perdida.

Pessoas de todos os lugares vêm todos os anos para caminhar nesta trilha. Ela combina a beleza da Cordilheira dos Andes, florestas tropicais e ruínas antigas que deixam a Trilha Inca muito interessante. O governo peruano limita a apenas 500 pessoas por dia para atravessar a via férrea, em um esforço para controlar e preservar o local, que é um patrimônio histórico mundial, então você tem que reservar com antecedência, usando um dos operadores de guia de turismo oficiais.

Os guias peruanos dizem que os antigos mensageiros Incas atravessavam toda a trilha em menos de um dia. Se nós pensarmos nos atletas de triathlon de hoje, pode ser possível, mas há picos bem elevados para cruzar, sendo o ponto mais alto em Warmiwañusca Abra (a passagem de 4.200m chamada de “mulher morta”), que faz um monte de gente sofrer de “soroche” (a doença, o enjoo da altitude), portanto, esteja devidamente preparado, se você quiser fazer esta trilha. Em 2000, eu fiquei no Peru e na Bolívia por cerca de 45 dias e tinha escalado montanhas mais altas antes da Trilha Inca na “Cordillera Blanca”, então eu tinha tido “soroche” suficiente antes da Trilha Inca e já estava familiarizado. Uma vez nesta trilha, estes 4200 metros passei sem ter qualquer impacto, mas muitos trekkers não passaram bem neste momento. Basta preparar-se adequadamente e você não vai ter problemas, mas não despreze essa questão porque você precisa estar em boa forma e em boa condição saudável para realmente aproveitar este trekking.

Abaixo, você tem o itinerário dos primeiros 3 dias. O último eu não fotografei porque você deve acordar durante a noite, entre 04:00 – 05:00 am, para chegar à Porta do Sol antes do sol nascer, e estava úmido e com muita neblina.

Note-se, também, que, nesta época, eu tinha uma super câmera digital Sanyo e estava fazendo um teste drive patrocinado pelo distribuidor do Brasil. As câmeras digitais estavam em seus primeiros dias, e, hoje em dia, um único iphone simples poderia ter feito essas fotos parecem de outra época, e elas realmente são. Eu poderia dizer, não só o lugar, mas as fotos são históricas. De qualquer forma, o tratamento digital ajuda muito e você pode sentir pelas a beleza e a aventura desta trilha singular.

Na minha opinião, a melhor época para percorrer esta trilha é o inverno (junho, julho, agosto) porque você vai ver belas paisagens com picos nevados nos Andes, será bem frio mas voce evita as chuvas. No verão, essas fotos são de 27 a 31 Dezembro de 2000, você caminha em tempo muito chuvoso.

Último comentário, antes de fechar este texto, eu diria que as pessoas tendem a ser muito amigáveis na Trilha Inca, como as pessoas seriam solidárias se estivessem em um barco atravessando uma tempestade, porque esta trilha é muito emocional devido a toda esta beleza que mistura a Amazonia com os Andes, ao afastamento, ao ar completamente cosmopolita causado pelas diversas nacionalidades e a toda história que circunda os seres humanos nesta trilha inesquecível.

km 88_Qoriwayrachin

 Cruzando a 1a. ponte no Rio Vilcanota

Seguindo o Rio Vilcanota

Inca Tambo Pulpituyoq

trilha-inca-marcelo-ozorio

Llaqtapata Patallacta, Terraços Agrícolas

Entrando na Área Protegida Oficial do Santuário Histórico de Machu Picchu

Vale do Wayllabamba (Huayllabamba) 

Floresta Nublada de Uncas (espécie nativa de árvores)

Subindo Llulluchapampa

 Warmiwanusca Abra (Passo da Mulher Morta a 4,200 metros)

Descendo o Vale do Pacaymayo

Acampamento Base de Pacaymayo (2o. acampamento)

Atravessando Runkuraqay (Segundo Passo de 3710 metros)

Descendo Runkurakay Abra 

 Laguna Yanacocha

Sayaqmarca (sítio arqueológico)

Cenários Bonitos da Trilha Inca

Phuyupatamarca (sítio arqueológico)

trilha-inca-marcelo-ozorio
Textos e fotos por Marcelo Ozorio


Leia mais sobre a trilha inca em:

http://www.incatrailperu.com/

http://en.wikipedia.org/wiki/Inca_Trail_to_Machu_Picchu

You can read this article in english / Veja esta matéria em inglês em :
http://coolplaces.space/antelope-canyon-page-arizona/

saturno-icone

You can read this article in english / Veja esta matéria em inglês em :

http://coolplaces.space/inca-trail-andes-mountains-cuzco-peru/

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *